Páginas

Minha poesia precisa de fortuna crítica

Minha poesia precisa,
urgentemente, de uma
recauchutada - quem sabe -
de metalinguagem, que é
a linguagem poética
da poesia no momento
Minha poesia precisa
entrar na moda
Deixar de ser caipira;
esse ar que se respira
na província, tão démodé,
sem nenhuma estética
Minha poesia precisa
falar mais da poesia
e se fazere concisa;
adotar a dialética
como musa, não no conteúdo
mas na forma, que hoje é tudo.
* Da coleção Poetas Vivos (1988)
Postar um comentário