Páginas

Estragos

Me dou por vencido
quando não seguro
minhas mãos cortadas
por duros golpes de facão
                                       afiado
com essa finalidade

Me dou por vencido
quando atiras seis vezes
estraçalhas meus movimentos
gestos e opções de ações

Me dou por vencido
quando matas meus filhos
em obscuras salas
sem luz e ar-condicionado

Me dou por vencido
quando cortas
meus vasos sanguíneos
para exaurir lentamente
meu sangue de revolta

Me dou por vencido
quando me vences
traiçoeiramente em confusos
lances de cartas marcadas

Me dou por vencido
principalmente
quando me proíbes
de escrever meu verso

Me dou por vencido...

Mas, num pequeno descuido
bebo meu sangue
fio minhas mãos
refaço meu peito
revivo meus filhos
costuro minha dor
com paciência de artesão
junto minhas forças
em ciranda
e só me dou por vencido
- realmente -
se me venceres no argumento.

Postar um comentário