Páginas

O Trem Doido de Curitiba

Dedicado ao poeta Luiz Edson Fachin
O trem pegou a perna dele
o trem doido de Curitiba
o trem sem alma da cidade
o trem que chega sem aviso
O trem comeu a perna dele
mastigou, ingeriu sem pena
o trem que chega sem aviso
e que nunca fugiu dos trilhos
O trem cumpre seu ofício
pega em todas estações
o trem doido de Curitiba
O trem com seus oito filhos
vagões, vem nos seus caminhos
pegando todos nós... Ó trem!
Postar um comentário