Páginas

Três meninos

Vinha outro dia
Andando por essas ruas frias
Encontrei três meninos maltrapilhos
Pareciam nossos irmãos
E, ainda, seus filhos

Quietos, quietos todos
Ouçam as lágrimas do Cristo
Sempre a favor
Dos pequeninos

Se os três meninos
Não eram nossos irmãos
O que eram então?
Maltrapilhos por ser...

Não! Não!
Alguém tem de responder
Por essas três crianças
De olhos opacos
Cabelos pretos
E rostos pálidos

Quem? quem?
Ou serei culpado sozinho
Pelo gozo, pelo feto concebido
Ou seremos covardes
Para não manifestarmos?

’Cientizem-se
Elas não nos culpam
Mas, vamos nos defender
com que desculpas?
Se fazemos parte da mão
Que rouba sua comida
E maltrapilha sua roupa

Quietos, quietos todos
Ouçam as lágrimas do Cristo
Ao ver passar nas ruas
Três meninos maltrapilhos...
Postar um comentário