Páginas

Saudade é uma coisa esquisita

Saudade é uma coisa esquisita.
A gente que sente, sabe que sente
mas não está escrita na cara
e não tem outra identificação.

Às vezes, muito das vezes, dói
uma dorzinha gostosa de sentir
de saber que a qualquer momento
vai matar aquela doutora saudade.

Porém há casos, cruzes, perdoe-nos,
Senhor, a saudade é uma dor cruel,
quase infinita, de alguém que parte…

- Partiu tão de repente, imagina,
sem dizer: tchau! até manhã!
ou, o atroz adeus, até nunca mais!

><>Poema escrito após o desencarne repentino de amigo em acidente rodoviário aqui em Mato Grosso e contrariava a lógica de filhos morrerem depois dos pais. Republico em honra a dor da mãe de Eduardo Campos. 
Postar um comentário