Páginas

Mãos ao alto IV

Assim caminha a humanidade: este imita aquele,
A voz nem se parece, mas há uma falta de ridículo
Em meio a tudo ao que a gente vê, vive e vivencia

Uns, como os políticos perderam, a vergonha na cara,
são desonestos de chapa, e condenam os hipócritas
Que se fazem de virgem arrependidas, mas não arrepiam...

Quando a oportunidade aparece: o juiz vende a sentença,
O desembargador a liminar à meia-noite, o ministro o parecer
O advogado – que espetáculo – aprendeu tudo na faculdade
Com esses professores: juiz, desembargador, ministro...

O pedreiro, o padeiro, e todos os sem eira e nem beira,
Que se miram neles e acham no direito de condenar o barão...
Mas a sentença, para ser justa (justiça se faça, é só uma)
aqui na terra é aquela que diz: ladrão que rouba ladrão, tem...

 27/11/2004

Postar um comentário