Páginas

Meu Pai em Silêncio

Meu pai está morto dentro do armário,
que nunca existiu em minha casa
Por que está lá, calado como um bule,
causa surpresa e ninguém sabe
a metáfora desse ficar em silêncio

Meu pai está morto dentro do armário
escuro pelo tempo que tudo escurece
Poucas pessoas sabem disso, mas as madeiras,
que guardam livros, louças e defuntos
nada esquecem e registram na memória

E de memória a madeira lembra
que meu pai era apenas um comerciante
e se julgava esperto, entretanto foi enganado
pelo sócio-padeiro que lhe roubava trigo...

O Armazém Mercado em concordata
fechou, foi à falência e João Sabino
morreu do coração em tarde abandonada

Hoje, ele se encontra no armário
e ninguém lembra de lhe perguntar

sobre seus amores idos, filhos
e o motivo de se encontrar
quieto, silencioso como um relógio
estragado que não mais faz: tic-tac...
Postar um comentário