Páginas

O Homem Não Morre Porque Quer

Andas corredores pela casa
não percebes nenhum parente
o quarto solitário, a sala vazia
a redoma abandonada na área

Percorres tudo como se estivesse
a vida, o riso, o ar e o gesto
de amor, de amar, de dar e receber
ainda impregnados nas paredes

Não vês pragas, pregas, rugas
os pregos enferrujados dos quadros
o acolchoado cheirando a mofo
a bengala inútil quebrada no canto...

- Acorda, assusta, desperta, veja
a vida benfazeja, mágica e alegre
está apagada, riscada do quadro
suprimida nos mínimos detalhes

Vamos sair pelas ruas e cantar
gritar, encher os pulmões e gritar
estender os braços, tender os músculos
e dançar o samba, o tango, dançar

Preencher todos os vãos da casa
com vozes hilariantes das crianças
expor-se e ser o espetáculo da vida
no máximo, no ápice do nosso poder.