Páginas

Poema Roubado



Um dia, sempre, fiz um poema roubado
Fixo em esclarecer: não sou nenhum
Drummond de Andrade ou Manuel Bandeira
E nunca fui ao Porto de Fernando Pessoa

O poema roubado ou furtado não é crime
É bom deixar consignado ao desatento
Leitor, qual possa pensar em perdas, danos
Ao sistema literário local ou intermunicipal

Os poetas amigos – nunca cito nomes –
São cúmplices de alguns bons momentos
Desses atos, contudo, não resultaram B.Os.

Do poema roubado não resta vírgula sequer
Perdeu-se, como se perde o contato com a musa
Que se esqueceu de enviar novas poéticas receitas.

Revisado



Postar um comentário