Páginas

Inteiro Teor

Lembrar de um objeto
que nunca existiu, como?
Pois é desse objeto
que meu íntimo sente falta

Ando pelas cidades
Por suas ruas
antevejo as fachadas
dos prédios nas sombras

Ando triste, alegre
sem meio sentir
sem calcular
sem inteiro teor

Como esquecer
tudo que passou
num relance
de uma encarnação?
><>Poema escrito em março de 2016

Postar um comentário